sexta-feira, 6 de julho de 2018

Vilares



Escorrem-me os sonhos por entre os montes
Nem sempre desaguam onde deviam
Pelas encostas crescem
Criam vida própria
Rebelam-se
Exigem tempo, presenças
Falam-me de outros tempos
Sussurram-me o teu nome
Vivem de ti

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Um lugar



Sei de um lugar onde moram encantos
Onde os murmúrios lembram o desejo
Sente-se a beleza dos dias cálidos
Vê-se para lá do infinito
De lá se abarca uma vida
Circunscreve-se o sentir
Sabe-se que lá é o paraíso
E lá um dia voltaremos
Porque de voltar é feita a vida

domingo, 18 de março de 2018

Paridade



Escrevo, corrijo, apago
Desisto, fujo, em vão
Começo, recomeço
Desenho, soletro
Algo mais que um risco
Uma palavra, uma frase
E porquê?
Que há assim tão importante por dizer?
Tudo, nada
Nada é preciso escrever
Lês-me numa folha em branco
Desvendas-me mesmo sem me ler

sexta-feira, 9 de março de 2018

Escreve-me



Escreve
Escreve-me na mão trovas do teu imaginário
Dos dias bons, dos menos bons, assim-assim
Da euforia, da tristeza, da alegoria figurada

Escreve
Nem que seja de momentos imaginados
De sugestões, de conselhos, comentários
observações que a mim nunca chegaram

Escreve
Conta-me de ti, das tuas horas
Dos segundos que ecoam nos murmúrios da ausência
Da beleza de um sorriso provocado
Da lástima de uma lágrima reprimida

Escreve-me
Sempre que a ventura te sorria, escreve-me
Se na des(ventura) tropeçaste, escreve-me
Mas, escreve, pois sabes que te leio nas estrelas
Sabes que te leio
Mesmo quando não me escreves

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Fim de época


Não me revejo em dias cinzentos
A pele do tempo húmido não me assenta
Sou sol, tempo seco, brisa ligeira
Vivo de horas de luz, de noites curtas
De ocasos que se perdem no horizonte

Nunca nasceu em mim o Natal
Não visto esse fato nem em festas

Estes dias que se esgotam em cores cinzentas
Se comprimem num torpor de fim de época
Alguma coisa nova trazem

O Sol de um novo ano, os dias longos.

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

A prenda


Na rua o clamor do corrupio
O sobressalto dos dias frios
Que lembram o aproximar do desvario

Ao longe o crepúsculo reclama dele
O limite do horizonte recortado
Simulando na envolvente de um abraço
A curva de um rosto imaginado

Não será pela pressa do momento
Que se perde o fio do pensamento
Envolto em cores quentes
Rematado pelo mais suave cordel
Transportando a prenda mais desejada


Boas festas

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Em lume brando



Em lume brando
Qual fogo que perdura
Sem fim à vista, lento,
Sem vontade de se esgotar
De recusar o fim anunciado
Sobrevivendo à certeza do destino
à cinza onde tudo acaba

Reencontra-se
Eleva-se ondulante em
chamas coloridas
Esmorece, renasce,
retoma o vigor

Alimenta-se da certeza
da sua utilidade
Da necessidade de viver
mantendo a lembrança

Une, vence a distância 
o tempo, a ausência
É vida!