sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Dias assim



Há dias assim. Começam rudes e, enfadonhos, evoluem em estreitos corredores de infinita intermitência. Dias que parece que o que tinham para nos dar de bom já se tinha esgotado antes de começar. Que nos comprimem com o que de penoso já vinha de trás. Mas é esta a virtude da vida, também estes dias podem acabar bem e às vezes basta tão pouco. Assim foi, assim seja.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Sinuosidades


Tu sinónimo de incerteza, devastado por vagas agrestes de solidão. Enquanto o devir te guiar, a ambiguidade te dilacerar o âmago, expondo-te à inconstância da errante penumbra e o umbilical cordão do desassossego te sujeitar, então tudo o que em ti quer explodir, sempre soará a mudo grito de introspecção.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Miragem


Dia após dia, sempre desfiando minutos de imensidão longínqua, soam ao longe as vigorosas vagas do teu mar, ergues-te, revolves-te e não desistes.
Quão sedutor é o vaguear errante do que, no seu âmago leva toda a infinitamente pequena réstia de esperança.
E, assim atraído pelo horizonte, que de tão azul, te pinta de verde a esperança.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Murmúrios


Um murmúrio pode ser de tudo ou de quase nada, uma quase divagação ou preconceito. Confunde-se com um gemido que pode ser de dor ou do mais genuíno prazer. É um sussurro que deixa transparecer o que vai na alma, um lavar de angústias, depurar de tormentos e exorcismo de fantasmas. Murmuras porque temes ou porque tens esperança?

domingo, 28 de novembro de 2010

Estuário


Perto da foz, no entanto nem água doce, nem água salgada, uma mistura de ambos, o estuário é um porto de abrigo, uma zona calma, de garantia de sossego, paz e tranquilidade absoluta. Aqui a solidão não é um isolamento mas sim um sentimento partilhado.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O vento



Não, não me chames quem eu não sou, não ponhas na minha boca as indizíveis frases, que o vento que entra pela frincha que ainda ficou, depois da ultima remodelação, deixa passar.
Eu sou o vento, o que sussurra, o que alerta, atemoriza ou que tranquiliza. Eu sou a geada que tudo enregela e que cobre de branco as peles suaves.
Sou também o sol, o de Primavera que tudo faz despontar, mas também o de Verão que tudo seca. Queria ainda ser o Sol de Inverno pelo qual se anseia.
Serei a noite, tranquila e serena, que promove sonhos e que leva ao despontar da aurora.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Ajustes



Às vezes as coisas não se encaixam, estão desalinhadas, incongruentes incompatíveis. Será? Será que tudo não passa de pequenos ajustes, de acertos, reflexão, cedência e compreensão? Será um desalinhamento uma incompatibilidade ou apenas o que nos trouxe até um ponto de inflexão?

domingo, 14 de novembro de 2010

O Momento


Há um momento que nos liberta, que nos faz esquecer um dia mau, que nos dá alento para o caminho que resta. Esse momento, não se espera, acontece. Há um momento em que pensamos que esse momento já não chega. Mas quando chega!
Foi-se o fim-de-semana ou o que ele nos deixou ter, vem uma nova semana. Haverá novos momentos.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Um voo


...de esperança, na ternura dos quarenta (e dois, feitos ontem). A vida é feita de baixos, de altos de encontros e desencontros, de bocejos, de angústias e tropeções, mas também de alegrias, de ritmo cardíaco acelerado e esperança, especialmente esta.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Evasão


Entre o sagrado e o profano, a evasão. O desejo de voar e entrar em órbita, a vontade de reclamar o infinito. A angústia de criar o desassossego, a tristeza e a própria angústia. A vontade resulta do desejo, do sentimento, do fogo da paixão e do ardor criado pela melancolia.”  
In Crónicas do Devir de Matt Hilde

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Insónia



Insónia é um nome de um filme passado no Alasca, em que o investigador Al Pacino tenta desvendar um crime. A insónia vem-lhe da ausência de noite existente naquelas paragens por essa altura.
Será também insónia a consequência do estado que as coisas estão? Da avidez de viver o momento, os minutos que se desfiam pelo badalar dos sinos dos campanários? Do constante devir da complexidade do ser humano?

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Divisória

Linha limite, de um lado o verde, as ruínas, o velho casario e a calçada imponente que define o que é do outro lado, a imponência, o estilo, a posição, nem que por dentro esteja tudo em ruínas.

domingo, 31 de outubro de 2010

Ponte Romana e os Santos

Em tempo de Invernia, com muita chuva vento, mas com aquele toque de feira de Santos, farturas, carrosseis e confusão. Mais calma e tranquila, a Top Model de Chaves, em suaves tons nocturnos, com um aspecto sempre sexy, a Ponte Romana.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

A Experiência


...é um filme que mostra de forma cruel o que pode ser a natureza humana, acabando por retratar o que é a sociedade em geral e como o poder nos transforma.
O que começa como o maior dos cobardes transforma-se no maior dos valentes quando por circunstâncias para as quais nada fez, toma vantagem sobre os outros.Triste espelho da realidade.

Para uma crítica mais profissional:
http://www.imdb.com/title/tt0997152/

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Duas gaivotas


Enredas-te entedías-te, angustías-te, consomes-te, momentos atrás de momentos, horas, dias infinitos de noites intermináveis.
E tudo para quê, se toda a liberdade mora nas asas de uma gaivota?

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Uma Ponte


...é sempre uma forma de união, de conjugação de esforços, de sintonia e proximidade. As pontes vencem distâncias físicas consideráveis, trazem-nos ânimo e alento. Esta, tem a particularidade de unir, dois concelhos, dois distritos e duas zonas tão próximas em tudo, até geograficamente e passa por cima da ainda existente linha ferroviária com o nome do rio, a qual se distingue do lado direito. Une as margens do Tua, um nome de rio que nos causa alguma dificuldade de entendimento, um rio maravilhoso e que tanta gente tem de forma vil, maltratado das mais diversas e variadas formas. O rio, pode ver-se ainda na parte superior da foto. Esta foto traz-me uma enorme sensação de evasão.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Voo livre


 ...embora desordenado, mesmo que seja em grupo. Em baixo está a indicação, sentido obrigatório, só se pode ir para ali, mas a passarada, cabeça de alfinete, desmiolada, cria um tal estardalhaço que começa a voar em círculo, cada um por onde lhe dá a gana. Assim o reflexo da nossa sociedade, liberdade aparente...

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Infinito Azul


Porque será o infinito azul, se verde é a esperança e cinzento o pessimismo, quando negro é o luto? De azul sem fim se reveste o céu e nele se combinam todas as esperanças reunidas em cor. Se num cenário azul se projectar um abrigo da mesma cor e juntos formarem um quadro de subtis esperanças e firmes sentimentos, aí estaremos nós reunidos em corpo e alma.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Curiosidade

...tipicamente feminina. Por trás de todo o ar introspectivo está sempre a curiosidade, a comparação, o será que é mesmo assim? Coisas de mulheres, cada um tem das suas, elas têm as delas. É claro que vão achar que é ordinarice, que não, que os homens é que as vêem assim. claro, parece que lhes adivinhei o pensamento. O que vale é que não há mulheres a visitar este espaço.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

A apreensão


Em tempos de crise, estamos apreensivos, taciturnos, cabisbaixos. Por trás está a origem do mal, o império do patinhas, imponente e inquebrável. Mesmo em tempos de angustia e incerteza sempre há um amarelo de esperança e virtude ao nosso lado que nos pode dar força, coragem e alegria.
Confesso que era minha intenção por esta foto a preto e branco e continuo a achar que como foto resultaria melhor, mas, não merecemos ser tão pessimistas.
Dedico-a aos que hoje se sentiram angustiados e ansiosos. Bola pra frente.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A gaivota

..., o areal de areia grossa como todos na zona, a praia de rochas, o barrigudo de turno, o vento que é de norte, sim, também típico e os barcos. Mas, do Benfica? E por cima de tudo isto uma gaivota que veio por todo o quadro em harmonia. Não trouxe o céu de Lisboa mas trouxe o mar, um imenso mar até perder de vista. O contraponto.

domingo, 10 de outubro de 2010

Luz nocturna

...pode ser tímida, no limite da obscuridade, reluzente ou enganadora. Pode ser de noite de vento forte e chuva torrencial com alerta laranja anunciado. Pode também ser de calma, tranquilidade, apaziguadora, criadora de ideais. Não deixa de ser a luz nocturna e a designação é a que cada um lhe dá. Esta foi a que eu captei já há três meses, no alto da Sra da Assunção em Vilas Boas, Vila Flor.

sábado, 9 de outubro de 2010

Regimento de Artilharia I

As mulheres são como o coração, não só pelo efeito que nele provocam, mas mais porque, tal como ele, têm razões que a própria razão desconhece. Têm as suas tácticas, os seus vícios e as suas convicções. Aqui, apanhei-as eu, com a mira elevada, apontando para um qualquer objecto no ar ou simplesmente tentando livrar-se de algum peso na descolagem. O efeito, não sei, porque os homens também têm as suas virtudes e uma das minhas, é a pouca paciência para esperar. Fui andando.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Dia da Memória

Um dia para ser sempre lembrado, por tudo o que encerra. Tudo na vida tem o seu lado positivo.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Marina

...é o mais recente livro de Carlos Ruiz Zafon e que eu acabei de comprar. Primeiro, e confesso que foi uma reacção instintiva, pela capa. Tem na capa uma foto onde recentemente eu também tive o prazer de fotografar. Não, não é esta, não teria piada. Depois, bem, depois porque um dos melhores livros que li nos últimos anos é dele. "A sombra do vento", sim, uma história enorme de um grande contador de histórias. Pelo prazer que me proporcionou e por poder aliar duas das minhas grandes paixões: leitura e fotografia.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Match Point

...é um filme do Woody Allen. Muito diferente do estilo que me habituou e eu que eu mais gosto, desde os tempos de Annie Hall. É no entanto um argumento brutal, esse sim, digno da cabeça criadora do homem. No fundo, é um retrato real e cruel do que pode ser a vida. Se tudo correr como é esperado, contradizendo a lei de Murphy, tudo nos pode sair bem. Ás vezes é mesmo assim. Ás vezes não.

domingo, 3 de outubro de 2010

Escada

Uma escada é sempre um duplo sentido. Pode significar subir, descer ou até fazer uma pausa a meio. Esta tem outra virtude, no fundo tem uma fonte, ela própria um convite. Com tudo isto, em que ficamos? Já agora, fica em Barcelona, algures no bairro gótico, num pátio qualquer ao lado das ruas da movida.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Dia europeu da depressão

Neste dia europeu da depressão, fica aqui uma fotografia que tenta ser de esperança para todos aqueles que, como o nosso país, atravessam uma fase mais deprimida, embora, claro que passageira. O limiar entre a sombra e a luz, a apatia e o positivismo, com um imenso estuário de esperança ao fundo.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Catálago CIN

Assim, todas em linha, coloridas, de gosto discutível mas muito variado. Estas casinhas estão mesmo em frente ao mar, na praia dos pescadores de Vila Chã. Uma aldeia piscatória com tudo o que isso contém. E persiste!

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Dourado de sol cinzento

Mesmo a preto e branco se pode apreciar uma infinidade de cores, profusão de tonalidades e escalas da mesma cor. Os objectos ganham outro significado e os reflexos são mais nostálgicos, atiram-nos para outros tempos. Uma fotografia a preto e branco é uma mistura de sensações e de estados, mas, se bela, é-o assim ainda mais. Não sei se é este o caso.
Detalhes:
Distância focal: 18 mm
Abertura: F/8
Tempo de exposição: 1/1250 seg

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Aglomerado

...conjunto de peças, cruzamento de variedades, algumas improváveis, gotas de água acumuladas, suportes de verdes resplandecentes. Vasos de flores viçosas contrastando com ramos secos e ervas daninhas. É assim, o balanço é sempre a soma das partes e o todo é o que se usufrui.

domingo, 26 de setembro de 2010

As coisas simples

...são assim, tocam-se, sentem-se, são fáceis, não precisam de marca nem de autor e sabe tão bem apreciá-las.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Verde em águas rápidas

Do ribeiro de Pedome, pinceladas do verde dos rabassóis, que de adultos tombaram perante a impiedosa vontade da mais fresca e cristalina água, nesta altura do ano rápida, do ribeiro de Lamadeiras, ao lado do moinho do Almeida, claro.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

O Tempo

O tempo é um conceito volátil. O seu peso varia consoante a idade a que se mede. Bebe-se sofregamente, mastiga-se languidamente, suporta-se ou venera-se de acordo com a esquina com que com ele se cruza. Aos vinte anos fala-se de vinte anos atrás como se fosse uma eternidade, aos quarenta como se fosse o ano passado e aos sessenta como se fosse daqui a um mês.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Triângulo

Triângulo é o nome de um filme que vi recentemente. O argumento baseia-se num naufrágio de um iate onde viajavam um grupo de pessoas e o seu resgate por um navio. Um pouco colado à saga do obscuro navio fantasma, o que mais me impressionou neste filme foi a abordagem tipo carrossel. As personagens têm vários "eus", vivendo várias vezes as mesmas coisas, tentando corrigir o que fizeram mal anteriormente e, tragicamente para uns, menos para outros, nunca chegando aos resultados pretendidos. Fica aqui um atalho para a crítica: http://www.imdb.pt/title/tt1187064/

domingo, 19 de setembro de 2010

Notícias de Ontem

Já quase ninguém liga, o tempo estava para outras andanças, no entanto, os periódicos, que disso vivem, lá faziam questão de lembrar que hoje haveria derby. Fraquinho por sinal, assim vão os tempos. A bola e as scuts e com papas e bolos se enganam os tolos.

sábado, 18 de setembro de 2010

Alimento

O principal, a base da alimentação e os outros às vezes ainda mais essenciais, embora esbatidos, menos nítidos mas sempre necessários.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

À Noite

A maravilha do tripé, com um tempo de exposição adequado, o produto final é uma agradável luz nocturna mais intensa até que a real. O azul do céu com a lâmpada do poste a sinalizar o início do horizonte. A calma, tranquila e adorável noite de Pedome. Mais uma para noctívagos e sonhadores.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Esperança

Sempre gostei de fotos de escadas com pouco luz, da ténue luminosidade artificial, do ar frágil do ambiente e dos contrastes dos elementos. Esta, fica com uma mensagem de esperança. Depois de uma porta fechada surge uma escada aliciante. Assim seja.

Passeio

Embora a foto tenha pouca nitidez, principalmente porque se trata de um recorte de um cenário mais geral, gosto muito dela, por isso a pus aqui. Dá uma sensação de liberdade, despreocupação, evasão e sempre com um ar nostálgico que o preto e branco e essa falta de nitidez lhe aportam. Não sei, é só a minha opinião, fica sujeita à crítica.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

A casa da luz Vermelha

Imponente deve ser viver num lugar assim e sentir-se o rei do Mambo ou do tórrido ninho de vespas.
Abaixo fica o resto do supositório.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Sub-chefe

Contorna-se a questão, não se vai ao essencial, insinua-se sem se concretizar, diz-se sem se assumir, fácil, sem responsabilidade e sem culpa. Mas não sem mácula. Assim, como por parasitismo, se ocupa o melhor dos miradouros, onde se alcança a melhor vista, se desfruta e depois como paga se deixa umas bostas. Coitado do "pombo" a culpa é da "estátua" que se pôs a jeito.

sábado, 11 de setembro de 2010

Glória

Trata-se de um arco, com uma tocha a arder em permanência, exactamente por cima da rua, em pleno bairro gótico em Barcelona. À esquerda, duas colunas baluartes de um suposto edifício gótico. A combinação dos elementos com o azul do céu em fim de tarde trouxeram-me a ideia para o título: Glória.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

A Mitra

Mitra, touca, corpete ou tudo o que a imagem nos sugira ao livre arbítrio da imaginação de cada um. E, assim, entalhado numa parede, na parte superior de uma entrada.

terça-feira, 7 de setembro de 2010