segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Sub-chefe

Contorna-se a questão, não se vai ao essencial, insinua-se sem se concretizar, diz-se sem se assumir, fácil, sem responsabilidade e sem culpa. Mas não sem mácula. Assim, como por parasitismo, se ocupa o melhor dos miradouros, onde se alcança a melhor vista, se desfruta e depois como paga se deixa umas bostas. Coitado do "pombo" a culpa é da "estátua" que se pôs a jeito.

2 comentários:

smvasconcelos disse...

Onde é o Miradouro?:)
bjs

Anónimo disse...

Ao ler isto, não posso deixar de pensar que ainda há pessoas que têm dentro de si um herói, que não tem dúvidas, tem a capacidade de destrinçar o essencial do acessório,de concretizar e assumir sempre, sem dúvidas, sem medos. Eu, pensava que ter receios, medos, fantasmas, era próprio dos humanos. Se calhar é… mas se calhar ainda existem esses heróis, daqueles das histórias,temerários, com convicções inabaláveis nas suas certezas.Os outros, os que não tem essa grandeza e são somente humanos, cheios de dúvidas, medos e receios, ficam atónitos, perante tamanha presunção.
Cada um de nós tem a sua verdade. E sim, a estátua pode ter-se posto a jeito (pobre estátua do herói que se pôs a jeito), ou o pombo é que não controlou a sua natureza, mas,qual é o culpado? Interessa saber?