terça-feira, 22 de março de 2011

Pegadas


Pegadas, marcas anónimas 
Confundem-se, iludem-nos e intrigam-nos. 
Firmes, escorregadias, belas e traiçoeiras.
Do estirador do arquitecto ou do martelo do pedreiro.
Serão verborreia de escultores, simples desenhos de calceteiro ou uma mensagem bem delineada?
Serão pegadas ou serão lágrimas?
Que interessa? 
Serão certamente marcas de saudade!

5 comentários:

trepadeira disse...

Serão certamente marcas de saudade ou de sobrevivência do martelo do calceteiro.

Um abraço,
mário

Anónimo disse...

tão lindo...!

Marta Vasil disse...

Poderão ser tudo isso, e são também e sempre um afinco, afinco ao chão, ou divagando um pouco, afinco da alma se as virmos em sentido figurado, como pegadas de pés que passaram e deixaram um vínculo de bocadinhos de histórias de vida.
São palavras linas, numa calçada linda!

Marta Vasil disse...

Volto para dizer que, quanto ao link, por mim, já vai a caminho. Obrigada

Verdiano disse...

Pegadas firmes, não vá o tempo levá-las, seguras, delineadas, que ficarão bem no tempo, aí, para sempre gravadas.