segunda-feira, 25 de junho de 2012

Tratado




Nos sedentos contornos do opaco
Fica o vago e impuro sentimento
Que da sorte e do mau fado
Da barbárie e do tormento
Criaram as bases do tratado

Tornou-se avassalador desejo
Do futuro incerto o augúrio
Da desdita o vago murmúrio
Mas sempre na busca do sustento
Eis que num inesperado lampejo
Chega a vaga que trás o tal portento

Nada mais procura, para quê
Com isto tudo basta, já se vê

3 comentários:

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

De excelência! Parabéns!

trepadeira disse...

E querem impô-lo à força.
Virá a vaga,já se ouve.

Um abraço,
mário

Lídia Borges disse...

Mau grado
tal tratado
sem trato,
sem agrado.

Lídia