terça-feira, 19 de abril de 2016


Lá, onde a vista suporta a ilusão
Toda a existência era bebida
Num trago que embora efémero
Era eterno

Dos séculos que passaram
Retidos ficaram os sonhos

Não acaba numa geração
O que é eterno

7 comentários:

Renata Maria disse...

Tão sutil, tão lindo. Amei*
Tenha um bom dia*

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Esperemos que não acabem nunca...

Muito bonito!
Abraço

Odete Ferreira disse...

Haverá sempre um "Lá" a marcar o eterno.
A nós, só nos cabe a vivenciar, num dado tempo, um pouco desse eterno.
Belo poema, amigo.
Bjo :)

Mar Arável disse...

Nos mastros mais altos

Suzete Brainer disse...

O eterno cabe tão bem no olhar!...

Belo poema!

bj.

heretico disse...

noto que frequentam este espaço, nomes notáveis da poesia por quem tenho amizade e apreço
e francamente gostei do poema.

voltarei mais vezes, se tal me for consentdido

abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

não acaba não!
e assim se faz poema
de geração em geração
beijo
:)