terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Do sinceno, a carambina


Despeço-me

Não que um dia tenha almejado
do sinceno retirar a escuridão
do frio húmido de inverno
respirar o inebriante gelo 
tornado em elegante carambina

Não, apenas busquei
dos dias calmos 
tomar a imensidão
E das cores do nordeste 
fazer um colar de recordações.

Adeus 2016

6 comentários:

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

📅 👌💚Feliz 2017📅 👌💚

© Piedade Araújo Sol disse...

e que sejam boas as recordações!

feliz ano de 2017

beijinho

:)

deep disse...

De novo, Mogadouro e uma das "minhas" árvores...

Feliz 2017, Armando Sena. :) Abraço

Manuel Veiga disse...

o sincelo e a carambina, na sua fria beleza, nunca poderemos colher
apenas a memória de nossos passos.

grato por esta memória (comovida) do "sincelo" e da "carambina".

Bom Ano para ti e aqueles que amas.

caloroso abraço, meu Amigo

Armando Sena disse...

Não tenho por hábito comentar os comentários que amavelmente me deixam no blogue, mas, achei por bem, desta vez, esclarecer o significado da palavra "sinceno", tal como é entendida nalguns locais de Trás-os-Montes. Sinceno refere-se a nevoeiro, tão só.
É desta riqueza imensa o nosso Reino.
Abraço, Amigos.

Mar Arável disse...

Todos os dias construímos memórias

Abraço