quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Embalada





Entre o inóspito dos cardos
E o agreste dos seixos onde crescias
Sob a Providência que a sombra fornecia
E do inclemente sol de Agosto protegia

A folhagem que era ténue
Solidária e sempre pronta
Amenizava a hipócrita geada

Nem a neve, princesa enganadora
Em ti inclemente penetrava

Fruto da mesma semente
Da flor que em jardim era regada
Tu, isolada, exposta, maltratada
À mercê de qualquer boca inclemente

Talvez, quem sabe, era esse o dom
Que em ti criava esse tom único
O perfume que só tem a liberdade
Que o céu e as estrelas
São as únicas cercas
De todo esse reino que é o teu

7 comentários:

trepadeira disse...

O abandono há-de trazer outra vez a liberdade.

Abraço,
mário

Lídia Borges disse...


Tem cheiro a húmus e alfazema, tem sabor a terra e a cor dos sonhos.

Viajo!...

Obrigada

Um 2013 pleno de realizações poéticas e não só.

Beijo

manuela barroso disse...

Entre seixos e cardos nascem também lindas flores!Linda poesia.
Que o NOVO ANO SEJA FELIZ E REPLETO DE PAZ!
Grande abraço

LUZ disse...

FELIZ ANO NOVO, EM COMUNHÃO E AMOR COM O PRÓXIMO.

Beijo da Luz.

rosa-branca disse...

Feliz Ano Novo meu amigo, com muita saúde, paz e muito amor. Beijos com carinho

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Que neste ano de 2013 que agora se inicia possamos com uma palavra de apoio e fraternidade fazer que o mundo seja melhor e que a esperança de realizar todos os sonhos seja presente sempre nos nossos corações...que a paz o amor e a felicidade seja o alvorecer de um novo tempo de amor e fraternidade.
E obrigada por me abrirem o vosso coração para eu entrar e alimentar a minha alma de carinho neste caminho que é feito por nós...mas que depende de quem nos acompanha e nos ajuda a ultrapassar dias menos bons e que estão sempre presentes com uma palavra de conforto...que secam as nossas lágrimas e sorriem com as nossas alegrias.

FELIZ ANO NOVO
Um beijinho com carinho
Sonhadora

Anónimo disse...

Tem sabor a viagem...viajar nas suas palavras, é como que se sobe a uma "ola".