sexta-feira, 12 de julho de 2013

Ocaso





Em busca do efémero fim de tarde, corro
Para trás o dia inteiro, deixo
O alento da luz que se acaba, busco
A chama do desejo em ti, persigo

No aconchego da noite me oculto
No eterno da madrugada mergulho
No despontar da aurora desaguo
De um limbo eterno desponto

De volta a um ser desconhecido
Emanado da razão
Liberto do espírito sonhador
Subjugado ao prazer do real
 
No jazigo temporário permaneço
Até ao ocaso de um sol que há-de ser meu

10 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

a ternura simples e bonita que emana do poema.
na sua simplicidade é um belíssimo trabalho.
gostei!

:)

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Um belo momento de poesia que adorei como sempre ler-te.

Um beijinho
Sonhadora

trepadeira disse...

O espírito sonhador nunca é subjugado.

Abraço,

mário

Lídia Borges disse...

"De volta a um ser desconhecido
Emanado da razão"

Bem sei! É preciso voltar que o devaneio condena o caminhante à solidão.

Um beijo

Anónimo disse...

Já dizia António Gedeão "Que o sonho comanda a vida, que sempre que um homem sonha o mundo pula e avança..."
Por isso, nada de perder o espírito sonhador, de o deixar ser subjugado pelo real.
O ocaso é uma das fases do dia minha preferida!
Adorei

rosa-branca disse...

Olá amigo, um ocaso tão cheio de ternura. Só está subjugado quem não consegue sonhar. Beijos com carinho

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Passando para deixar um beijinho e reler este belo poema.

Um beijinho
Sonhadora

Canto da Boca disse...

Não é a primeira vez que leio o seu poema, mas não sei ainda o que dizer, ou, ele me diz tanto, especialmente porque na hora do ocaso, um sem fim de emoções e sensações terminam o dia em mim, para recomeçar logo ao nascer do sol.

A sua poesia é líquida e plasmática, um amálgama de sentimentos. Linda! Reflexiva! Necessária!

Filipe Campos Melo disse...

No lusco-fusco dos dias
passantes
todo o tempo é espaço temporário
desconhecido

Um poema que se sente sentido
profundamente

Abraço

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Bonitas palavras para um sol que chegará...

Abraço