terça-feira, 6 de agosto de 2013

Sinais dos tempos





Sempre sabe a pouco a virtude
Opulenta que pareça e desabrida
Mesmo que em bandeja oferecida

Mansa dádiva em mão estendida
Sempre será mais vistosa e pretendida
A lábia e trôpega falácia

A que floresce em meninos de carreira
Exorta sempre a verborreia
Resulta como nada em estrumeira
E descamba no final em implosão

Nada a poderia sustentar
Oca, vaga, de lascar
Alimenta simplesmente a ilusão
Do ciclo da burrice propagar

Mas quando de madura cai
É sempre em vão

5 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

forte...

e verdadeira....

um poema mordaz e oportuno...

:)

trepadeira disse...

"Em meninos de carreira ...", canalhecos e quejandos.
Cairão, cairão, vamos ajudá-los.

Abraço,

mário

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Aqui a poesia pontifica sempre pela excelência.
Gostava de adquiri o(s) livros, Armando!

Abraço

Canto da Boca disse...

O lamento é que todos, todos, exceção dos canalhas, irão/vão ladeira abaixo, ainda que rejeitem veementemente, "A lábia e trôpega falácia". A canalhice não poupa a idade! Um desprivilégio de quase todo o mundo, um texto mais que oportuno!

Minha solidariedade e meu abraço!

Lídia Borges disse...


Faz todo o sentido porque tem o "mundo" dentro.

Um beijo