sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Horas


Falam-me de um sol a ocidente
Trazendo prenúncios de ocaso
Encerrando mais um eterno capítulo
levando consigo o cansaço
as agruras de um dia infinito
e desaguando numa linha de horizonte
onde toda a lembrança é enterrada

Recordo um sol a oriente
Onde todo o anseio era esperança
Presságio contagiante de alegria
Vontade de viver toda uma vida
Num dia,
nas horas que preenchem a eternidade

Entre um e outro um interregno
o luar prateado da vontade

ou a penumbra face da saudade

12 comentários:

São disse...

Entre sóis e luas , um agradável poema.

Saudações

O Puma disse...

... entretanto na vida

há HOMENS incomensuráveis

trepadeira disse...

Quem se volta para o ocaso nunca verá o nascer.

Abraço,

mário

© Piedade Araújo Sol disse...

pois...a saudade, essa palavra tão portuguesa...

muito bom!

Boa semana!

beijo

:)

Lídia Borges disse...

Simbólica, a oposição entre o nascente e o poente - a vida, um sopro, um dia a guardar em seu seio a eternidade possível.

Um beijo

Alda Luisa Pinheiro disse...

Liiiinnndo!
A vida...sempre em linha...

Pérola disse...

O Sol como marco na nascer e no ocaso.

A vida é como um dia...tem fases e nunca para.

Beijinhos

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Muito bonito com um final belo!

Desejo um santo natal num abraço amigo

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Que neste Natal a magia da criança que fomos esteja presente nos nossos corações...que não seja apenas uma comemoração de um dia, mas que se prolonguem por todo o ano...unindo almas com o carinho de uma palavra...o calor de um abraço...a doçura de um sorriso.

FELIZ NATAL junto de todos os que amas

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Venho desejar-lhe Um FELIZ 2014
abraço

Canto da Boca disse...

Uma bela construção poética, que nos deixa envoltos nos contrapontos e nos encontros de sentires, dos desejos de recomeços e eternidades, ainda que estejam no interstício de uma saudade!

Espetacular!

Canto da Boca disse...

Uma bela construção poética, que nos deixa envoltos nos contrapontos e nos encontros de sentires, dos desejos de recomeços e eternidades, ainda que estejam no interstício de uma saudade!

Espetacular!