quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Simples


Corre fresca uma brisa ao fim da tarde
Num tempo de estio adiado
Embora de alegria polvilhado
De um vento onde está escrito o teu sorriso

Vindo de onde foi anunciado
Tal e qual como o programado
Se torna real a emoção

Em paz se converteu o emaranhado
Conforto da vista prometida
No timbre melodioso das palavras

Simples, como são as coisas boas!

7 comentários:

Suzete Brainer disse...

Simples, como são as coisas

boas e bela sempre a tua

poesia,simplesmente inspirada!

Bj.

Li disse...

Simples e bonito.
Verdade, as coisas boas são simples, nós é que temos tendência a complicar.
Uma vista fantástica a da foto!
Bjinhos

© Piedade Araújo Sol disse...

simples e belissimo o poema e a foto.

convido o autor a ler este seu trabalho ao contrário, ou seja de baixo para cima.

fica muito bom e não lhe tira o sentido,

gostei de ambas as maneiras que li.

:)

deep disse...

Simples e belo. :)

Lídia Borges disse...


Um tempo simples é, tão só, o que pede...
Belo!

Boas férias!

Mar Arável disse...

A complexidade do simples

EU disse...

Emocionante e belo poema, amigo!
E quando entendemos que as coisas são simples, é porque da complexidade se fez clarividência!
Bjo :)