domingo, 8 de junho de 2014

eternidade




Entre as sombras
Que cobrem o sentir do fim da tarde
Navego pela réstia do momento
Sinto o que ficou de dias quentes
Na brisa do sussurro que era ardente
Vindo de um lugar que eras tu
Soprado por um sonho inacabado

Fugaz é o tempo infinito
Comparado ao instante desejado
De um momento apenas

A eternidade
Dos segundos contados pelos dedos
Mas, plenos de viver
Sentir
Ser

Entre o sol
Que me convida a voltar
A um mundo onde já vivemos

7 comentários:

Lídia Borges disse...


E eterna questão do retorno. Ulisses e Ítaca... E afinal Ítaca já não era a mesma ilha porque Ulisses não era o mesmo homem.
Um mito, o retorno.

Beijo

deep disse...

Retornamos sempre a nós próprios, ainda também em nós as mudanças sejam constantes.

Boa semana. Bj

trepadeira disse...

O regresso é sempre ao futuro.

Abraço,

mário

© Piedade Araújo Sol disse...

um sonho inacabado, talvez um dia não o seja.

muito belo!

:)

Suzete Brainer disse...

As vezes um belo sentir

percorre um espaço (instante)

de infinitude, morando

na eternidade (guardada)...

Belíssimo!!!

Ficou guardado (na minha

eternidade)...

Pérola disse...

E como é leve o teu passar.

Lindo!

Beijinhos

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Precisamos sempre de agarrar o instante e de o reviver... entre sonhos e gestos bem reais...

Abraço