sábado, 6 de setembro de 2014

Feito


O brilho de uma luz apenas imaginada
Que o esforço tornou no sonho vislumbrado
O suor de dias frios e horas de trabalho alimentavam

Invade-nos então deslumbrante
e estridente como um sopro
Penetra no ar recetivo de uma vida
O supremo saber do que é uma certeza

Não foi em vão o desafio
Num querer que
embora ameaçado
nunca vacilou

   Nem sempre borboletas coloridas
   Povoam verdes e luxuriantes paraísos

Valeu a pena, vale sempre,
manter a janela aberta para a Esperança

Feito

7 comentários:

Pérola disse...

Feito e muito bem feito!

Beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

feito e já é tanto....

uma boa semana.

beijo

:)

trepadeira disse...

Mantenhamos a janela aberta e as borboletas regressam na Primavera.

Abraço,

mário

Mar Arável disse...

Portas abertas

janelas escancaradas

EU disse...

A beleza da vida pode ser sempre um encantamento, mesmo que recortada de sombras. Talvez seja por isso que a "esperança" tem um olhar infinito...
Gostei imenso, amigo Armando.
Meu beijo :)

Lídia Borges disse...


A concretização de algo desejado a explanar-se neste "feito" - nome e verbo...

Um beijo

Lídia

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

A fotografia está mesmo muitíssimo boa (presumo-a pessoal), e certamente inspiradora para momentos poéticos como este também nas palavras, onde o "feito" final, traz um toque particular que quase altera todo o verso...

Grande abraço