segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Estival



Será porque o calor
encerra a melancolia
em caixa hermética
a lacre bem fechada
no vaivém da vida
nesse festim estival
da noite efémera
que encerra os longos dias?

O verão que se esvai
derrete-se em erupção
esventra toda a emoção
reinventa a harmonia
renasce até a ilusão!

Se outono houvesse
em nostalgia,
nada nem alguém
dizer ousaria,
que depois do banquete
vem a digestão...

4 comentários:

trepadeira disse...

"Renasce até a ilusão",sempre.

Um abraço,
mário

Lídia Borges disse...


Sente-se o tom cadente do tempo, quer nas palavras que se entrelaçam cúmplices, quer na imagem a desmaiar folguedos.

Belo!

Brígida Luz disse...

O pulsar do tempo nas tuas palavras.
A força da vida, em tons de verão.

Saudações e muito obrigada pelas boas energias.

Anónimo disse...

Gosto...muito.